Pular para o conteúdo principal

Aimee Mullins e seus 12 pares de pernas





Aimee Mullins e suas varias pernas


Aimee Mullins um exemplo de mulher vencedora, que sabe que nossas verdadeiras limitações estam na mente.

Ele uma uma atleta, atriz, ativista entre outras coisas. Elas mostra ao mundo que um pessoa de sucesso não precisa ter as condições perfeitas para isso, mas sim atitude certa.


Veja vídeo de Aimee Mullins no TED.











Transcrição do vídeo de Aimee Mullins


0:11
Eu falava com cerca de 300 crianças entre seis e oito anos, num museu para crianças, e trouxe comigo uma mala cheia de pernas, parecidas com as que estão aqui, e as coloquei numa mesa, para as crianças. Por experiência própria, sei que crianças são naturalmente curiosas sobre o que elas não sabem, ou não compreendem, ou pelo que é estranho a elas. Elas só aprendem a ter medo dessas diferenças quando um adulto as influencia a ser assim, e talvez censure essa curiosidade e controle as perguntas esperando que elas sejam criancinhas comportadas. Imaginei um professor de primeira série no lobby, com algumas crianças baderneiras, dizendo: "O que quer que façam, não fiquem olhando para as pernas dela."
0:54
Mas, é claro, esse era o objetivo. Eu estava lá para que elas olhassem e explorassem. Então, combinei com os adultos que as crianças poderiam entrar sozinhas, sem adultos, por dois minutos. Abrem-se as portas, as crianças avançam sobre a mesa com as pernas e elas as tocam, pegam, dobram os dedos, põem todo o seu peso sobre a perna de corrida para ver o que acontece. E eu disse: "Crianças, rápido: Eu acordei hoje e decidi que quero poder saltar sobre uma casa. Nada muito grande, só dois ou três andares. Se vocês pudessem pensar em um animal, ou super-herói, ou desenho animado, qualquer coisa que vocês possam imaginar agora, que tipo de pernas vocês fariam para mim?"
1:36
Imediatamente, alguém gritou "canguru!" "Não, não! Deveria ser um sapo!" "Não. Deveria ser o Inspetor Bugiganga!" "Não, não! Deveria ser Os Incríveis." E outras coisas que eu não conheço. Então, um de oito anos perguntou: "Ei, por que você não gostaria de voar, também?" E todos, inclusive eu, fizemos "É..." (Risos) E, de repente, eu deixei de ser uma mulher que as crianças teriam sido treinadas para ver como "deficiente" e passei a ter um potencial que seus corpos não tinham. Alguém que poderia ser supercapacitada. Interessante.
2:16
Alguns de vocês me viram no TED, há 11 anos. Muito se fala sobre como esta conferência muda a vida de palestrantes e conferencistas. Não sou exceção. O TED foi o lançamento da próxima década da exploração de minha vida. Na época, as pernas que apresentei eram uma revolução em protética. Eu tinha pernas de corrida em fibra de carbono trançada, modeladas como as patas traseiras de um guepardo, que vocês devem ter visto no palco ontem. Também tinha pernas bem realistas, feitas de silicone pintado.
2:52
Naquele dia, tive a oportunidade de chamar inovadores fora do campo da protética médica tradicional para que trouxessem seu talento para a ciência e a arte de fazer pernas. Para que parássemos de compartimentalizar forma, função e estética e atribuíssemos a elas valores diferentes. Bem, para minha sorte, muitos atenderam a meu chamado. E a jornada começou com uma conferencista do TED: Chee Pearlman, que, espero, esteja na plateia hoje. Ela era a editora de uma revista chamada ID, e ela me deu uma reportagem de capa.
3:31
Isto começou uma incrível jornada. Encontros curiosos aconteciam comigo naquela época. Eu vinha aceitando vários convites para falar sobre o design das pernas de guepardo pelo mundo. Gente vinha falar comigo depois da conferência, homens e mulheres, e a conversa era algo como... "Sabe, Aimee, você é muito bonita. Você não parece deficiente." (Risos)
Eu pensava: "Incrível, porque não me sinto deficiente." Isto abriu meus olhos para essa conversa que podia ser explorada, sobre beleza. Como uma mulher bonita tem que parecer? O que é um corpo sexy? E, de forma interessante, uma questão de identidade: o que significa ter uma deficiência? Gente, a Pamela Anderson tem mais protético no corpo que eu. Ninguém a chama de deficiente. (Risos)
4:28
Então essa revista, por meio do designer gráfico Peter Saville, chamou o designer de moda Alexander McQueen, e o fotógrafo Nick Knight, que também se interessavam pela conversa. Três meses depois do TED, encontrei-me num avião rumo a Londres, para meu primeiro ensaio de moda, que resultou nesta capa: "Mod-eficiente?" Três meses depois, fiz meu primeiro desfile de moda para Alexander McQueen com um par de pernas talhadas a mão feitas em madeira sólida de cinzas.
Ninguém percebeu. Todos pensaram que eram botas de madeira. Inclusive, tenho elas comigo no palco: Videiras, magnólias, realmente assombrosas. A poesia é importante. A poesia é o que eleva o objeto banal e negligenciado a um reino de arte. Ela pode transformar aquilo que amedrontaria as pessoas em algo que as convide a olhar, e olhar um pouco mais, e talvez até entender.
5:34
Aprendi isso em primeira mão com minha próxima aventura. O artista Matthew Barney, em sua obra fílmica "The Cremaster Cycle." Foi quando eu realmente me dei conta que minhas pernas poderiam ser esculturas usáveis. A partir daí, passei a me afastar da necessidade de replicar a humanidade como o único ideal estético. Então, fizemos o que chamam carinhosamente de pernas de cristal, ainda que sejam, na verdade, de poliuretano translúcido, material de bolas de boliche. Pesado! Depois fizemos estas pernas com terra, com raízes de batata crescendo nelas, beterrabas em cima, e com um adorável dedo de bronze. Este é um bom close. Depois, outra personagem: meio-mulher, meio-guepardo. Uma homenagem à minha vida de atleta. 14 horas de maquiagem protética para tornar-me uma criatura com patas articuladas, garras e uma cauda que balançava, como uma lagartixa. (Risos)
E ainda outro par de pernas no qual colaboramos foram estas... pernas que parecem águas-vivas. Também poliuretano. E o único propósito destas pernas, fora do contexto do filme, é provocar os sentidos e atiçar a imaginação. Caprichos são importantes.
6:56
Hoje, tenho mais de uma dúzia de pares de pernas protéticas que várias pessoas fizeram para mim, e com elas tenho diferentes negociações com o terreno sob meus pés. E eu posso mudar de altura. Vario entre cinco diferentes alturas. (Risos) Hoje, eu tenho 1,85m. Fizeram estas pernas para mim há pouco mais de um ano no Dorset Orthopaedic, na Inglaterra. Quando as levei para casa, em Manhattan, na primeira noite em que saí, fui a uma festa muito elegante. Uma garota estava lá, e ela me conhece há anos... com minha altura normal de 1,73m. Ela ficou boquiaberta quando me viu, e disse: "Mas você está tão alta!" E eu disse: "Eu sei, não é divertido?" Quero dizer, é como usar saltos sobre saltos, mas tenho uma relação totalmente nova com os marcos das portas que eu nunca imaginei que teria. E eu estava me divertindo com isso. Ela olhou para mim e disse: "Mas, Aimee, isso não é justo." (Risos) (Aplausos) E o incrível é que ela realmente falou sério. Não é justo que você possa mudar de altura, como queira.
8:04
Foi aí que eu soube. Foi quando eu soube que a conversa com a sociedade mudou profundamente na última década. Não é mais um discurso sobre superar a deficiência. É um discurso sobre acréscimo. É um discurso sobre potencial. Um membro protético não representa mais a necessidade de substituir a perda. Ele pode ser o símbolo de que o usuário tem o poder de criar o que quer que seja naquele espaço. De modo que pessoas que a sociedade uma vez considerou deficientes agora podem ser os arquitetos de suas próprias identidades e, de fato, continuar a mudar essas identidades ao desenhar seus corpos desde uma posição de poder. E o que me entusiasma tanto agora é que, ao combinarmos tecnologia de ponta — robótica, biônica — com a antiga poesia, nos aproximamos da compreensão de nossa humanidade coletiva. Penso que, se quisermos descobrir todo o potencial de nossa humanidade, temos que celebrar os dilacerantes pontos fortes e as gloriosas deficiências que todos nós temos. Penso em Shylock, de Shakespeare: "Se nos espetardes, não sangramos? Se nos fizerdes cócegas, não rimos?" É a nossa humanidade, e todo o potencial dentro dela, que nos torna belos. Obrigada. (Aplausos)ão é divertido?" Quero dizer, é como usar saltos sobre saltos, mas tenho uma relação totalmente nova com os marcos das portas que eu nunca imaginei que teria. E eu estava me divertindo com isso. Ela olhou para mim e disse: "Mas, Aimee, isso não é justo." (Risos) (Aplausos) E o incrível é que ela realmente falou sério. Não é justo que você possa mudar de altura, como queira.
8:04

Foi aí que eu soube. Foi quando eu soube que a conversa com a sociedade mudou profundamente na última década. Não é mais um discurso sobre superar a deficiência. É um discurso sobre acréscimo. É um discurso sobre potencial. Um membro protético não representa mais a necessidade de substituir a perda. Ele pode ser o símbolo de que o usuário tem o poder de criar o que quer que seja naquele espaço. De modo que pessoas que a sociedade uma vez considerou deficientes agora podem ser os arquitetos de suas próprias identidades e, de fato, continuar a mudar essas identidades ao desenhar seus corpos desde uma posição de poder. E o que me entusiasma tanto agora é que, ao combinarmos tecnologia de ponta — robótica, biônica — com a antiga poesia, nos aproximamos da compreensão de nossa humanidade coletiva. Penso que, se quisermos descobrir todo o potencial de nossa humanidade, temos que celebrar os dilacerantes pontos fortes e as gloriosas deficiências que todos nós temos. Penso em Shylock, de Shakespeare: "Se nos espetardes, não sangramos? Se nos fizerdes cócegas, não rimos?" É a nossa humanidade, e todo o potencial dentro dela, que nos torna belos. Obrigada. (Aplausos)



Comentários

Artigos mais lidos

Frases de Paulo Vieira

A algum tempo já acompanho o trabalho de Paulo Vieira, e resolvi selecionar algumas de suas frases, pois não achei também em nem um outro lugar, nada melhor que compartilhar sua sabedoria através de suas frases. 

O grande Paulo Vieira alem de escritor é o coach mais conceituado no Brasil, conferencista internacional, PhD pela FCUonde também é professor, criador do método CIS e autor de cursos de sucesso no mundo digital.

E selecionei algumas das frases que mais goste do seu best seller o livro O Poder da Ação. E sendo sua frase mais famosa - 


"tem poder que age"




Veja uma seleção de frases de Paulo Vieira São vários temas como: foco, autorresponsabilidade, crenças e etc.



“Acorde para viver o melhor da sua vida hoje, acorde para ser feliz agora, acorde para realizar as suas metas mais importantes e as menos importantes também – afinal, elas são suas.”
(Paulo Vieira)


“Creio que você e eu estamos aqui para ter e viver o melhor deste mundo aqui e agora.”
(Paulo Vieira)



“E tudo o que não é…

Fator de enriquecimento

Quer saber se você é rico? ?


Ou como anda sua situação financeira? ?

Ou como se tornar rico?

O livro o Fator de Enriquecimento mostra  exatamente como fazer tudo isso.








Formula Fator de Enriquecimento
A formula do Fator de Enriquecimento uma formula que como saber qual sua situação financeira atual na escalada do enriquecimento financeiro, a partir dessa formula você vai saber se onde esta e se esta na direção certa.
FE  =   Renda  x  Poupança  x  Investimento

FE  =   R  x  P  x  I


R   =  Renda mensal

P   =  Poupança para investimento mensalmente

I    =  Rentabilidade do investimento ao ano










Aula Fator de Enriquecimento
Acesse essaaula bônus e junto você pode baixar também uma tabela com a formula  e as variais para você fazer o calculo!!

http://www.febracis.com.br/baixar-ferramentas-fator-enriquecimento/



Tabela Fator de EnriquecimentoAcesse a tabela no Google drive com a formula, bastando você inserir os valores de poupança, renda e investimento para calcular o Fator de Enriquecimento.

Acesse a tabel…

Contágio social - saiba o que é como usa-lo

É comprovado, nossas rede de contados influencia em nossa vida. 
Paulo Vieira explica isso muito bem no seu vídeo sobre contagio social.

E um tema bem antigo já falado por nossos antepassados que as pessoas  com quais nos relacionamos vão nos influenciar, como diz o ditado “Diga-me com quem andas, que te direi quem és!”. E agora comprovado cientificamente.

O contagio social pode ser comparado com o contagio viral, algo que se propaga com o contado. Mas só que é um contagio emocional.


Exemplo de contagio Um exemplo é uma pessoa pessimista influencia quem esta em contato com ele ser pessimista, mas além de contagiar aqueles que ele entra em contato contagia também as pessoas que entram em contato com quem ele já influenciou diretamente(o amigo do amigo também é influenciado).

Dois cientistas Chistakis e Fowler comprovam que sua rede de contados vai lhe influenciar nos seus hábitos, comportamentos, valores, crenças, ideias, emoções e em nossos resultados.



Isso tudo bem explico no livro O Poder…

Livro O poder da ação de Paulo Vieira - Dica de leitura

O livro O poder da ação de Paulo Vieira, é um livro com varias técnicas e conceitos que são capazes que causar transformação na vida daqueles que os aplicarem. Escrito em uma linguagem simples e objetiva, uma leitura muita agradável. O livro se baseia em 7 princípios para uma mudança qualitativa na vida de qualquer pessoa, que são:
1-Acorde 2-Aja 3-Autorresponsabilize-se 4-Foque; 5-Comunique; 6-Questione 7-Creia
Os setes princípios
Acorde
O primeiro principio parte do pressuposto que todos nascemos para viver um vida extraordinária, para uma vida de abundancia, leva a você ter essa consciência.
Aja
Agir é único meio de chegar nos seus objetivos, e sair da zona de conforto.
Autorresponsabilize-se
Você é o responsável pela sua vida, então assuma o compromisso de ser todo aquilo que você quer ser.
Foque
Foco é a concentração de energia em um ponto capaz que efetuar mudanças. E essa energia estando disponível para todos. Esse é um dos capítulos que eu particularmente mais gosto, aborda o conceito de foc…